Regime argentino foi o menos judicializado

Se hoje a Argentina recorre muito mais à Justiça para julgar seus algozes
do período autoritário do que seus vizinhos, durante o período da ditadura
militar o regime do país foi muito menos judicializado do que os seus
similares de Brasil ou Chile.
À época, a Justiça Militar argentina processou 350 militantes de esquerda,
número que na Justiça brasileira chega a 7.400 e na chilena a quase 6.000.
Por um lado, os números explicam o motivo de a ditadura militar do Brasil
ter tido poucos mortos e desaparecidos (cerca de 500) se comparado à da
Argentina, cuja cifra é estimada em 30 mil.
Mas não foi só isso: o modus operandi do regime argentino foi muito mais
brutal (foram criados cerca de 340 campos de concentração), e a morte era
regra não só para os militantes da esquerda armada, mas também para
simpatizantes, estudantes, sindicalistas e intelectuais.
A Argentina, na reparação de seus crimes do período, agora inverteu o
quadro: ao contrário do Brasil (cuja Lei de Anistia proíbe o julgamento de
ex-militares) e muito diferente do Chile (que não foi tão longe), é hoje o
país que mais julgou -e prendeu- os algozes de seu passado autoritário.
(LF). Folha de S. Paulo, 27/3/2011

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s