Na Argentina, Dilma recebe apelo para abrir arquivo da ditadura

Aproveitando a visita que Dilma Rousseff realiza nesta segunda-feira à Argentina, a irmã de um dos seis argentinos reconhecidos como desaparecidos políticos durante a ditadura militar brasileira decidiu ir até a Casa Rosada para tentar entregar uma carta à presidenta.

A psicóloga Lilian Ruggia, de 56 anos, é irmã de Henrique Ernesto, morto pelo Exército brasileiro em julho de 1974, em Foz do Iguaçu, quando tinha 18 anos.

Na carta que tenta entregar a Dilma, Lilian pede que seja revogada a lei da anistia para que se apurem os crimes contra a humanidade praticados durante o regime. “Peço também que se abram os arquivos da ditadura para ajudar na busca pelos corpos desaparecidos”, escreve a psicóloga.

Dilma chegou nesta manhã à Argentina, em sua primeira viagem internacional desde que tomou posse do cargo, em 1º de janeiro. Ex-militante torturada pela ditadura, Dilma empenhou-se em incluir na agenda temas relacionados aos direitos humanos, como um encontro com as mães da Praça de Maio.

Notícia disponível aqui.

 

Enviado por Alípio Freire

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s